quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Filme "A Lista de Schindler" — Resumo

          Durante a Segunda Guerra Mundial, no mês de setembro de 1939, em aproximadamente duas semanas, as forças alemãs derrotaram o exército polaco. Com a derrota, os judeus tinham ordem de relacionar todos os membros da família e mudar para as grandes cidades. Mais de dez mil judeus chegavam diariamente a Krakow.
          Como forma de organização e, certamente, de discriminação perante a sociedade alemã, os judeus passaram a ser reconhecidos através da estrela de Davi, símbolo que deveriam usar junto às vestes onde quer que fossem, do contrário, seriam executados imediatamente.
          O Conselho Judeu (Juderant) era composto por 24 judeus eleitos, responsáveis pelo cumprimento das ordens do regime em Krakow, como fazer listas de tarefas, alimento, moradia e registro de queixas diversas.
          O decreto 44/91 estabelecia um distrito judeu fechado ao sul do rio Vístula e o dia 20 de março de 1941 foi definido como prazo final para a entrada dos judeus no gueto. Com a obrigatoriedade de viver no gueto murado, todos os judeus de Krakow e adjacências foram forçados a sair de suas casas e viver espremidos em uma área de dezesseis quarterões.
          Oskar Schindler, membro do partido nazista, nasceu em Zwittow-Brinnlitz, na Checoslováquia, no ano de 1908. Era um homem agradável, um cidadão de negócios e possuía grande poder de persuasão. Em 1941, Schindler fundou a D.E.F., uma fábrica de panelas onde contratava judeus como operários. Sendo assim, não permitia que os nazistas executassem seus operários e com isso criou um forte vínculo com os judeus.
          No inverno de 1942, o gueto de Krakow havia se tornado uma 'cidade judia'. Onde os empregados civis e operários de indústria eram separados da população que representava a mão-de-obra excedente, como velhos e doentes. No mesmo ano se iniciou a construção do campo de concentração de Plaszow, para onde pretendiam transferir os judeus de Krakow.
           No dia 13 de março de 1943, os alemães invadiram o gueto de Krakow, executando os judeus que se negassem a abandonar o local, e transformaram Plaszow num campo de trabalhos forçados, onde construíram uma metalúrgica.
           Em abril de 1944, o Departamento D ordenou que Amon Goeth, um nazista insano e inescrupuloso, exumasse e incinerasse os corpos de mais de dez mil judeus mortos em Plaszow e no massacre do gueto de Krakow. Com isso, Schindler perdeu muitos de seus operários judeus e então decidiu fundar uma suposta fábrica de munições, onde fez uma lista de seus trabalhadores "essenciais", pagando por cada um deles. Schindler não teve nenhum lucro com este ato, pois na realidade queria salvar aquele povo da morte que seria inevitável se ele não subornasse os nazistas.
           Durante seus sete meses de funcionamento, a fábrica de munições Schindler's Brinnlitz foi um modelo de improdutividade. Ele gastou milhões de marcos para sustentar seus trabalhadores e subornar oficiais Reich. Após a guerra, Schindler viu seu casamento acabar, assim como presenciou a falência de vários negócios. Em 1958, foi declarado um Honorário pelo Conselho de Yad Vashen em Jerusalém, e convidado a plantar uma árvore na Avenida dos Justos, que ainda cresce no mesmo local.
           Amon Goeth foi preso quando estava num sanatório em Bad Tolz e foi enforcado em Krakow acusado de diversos crimes contra a humanidade.
           Mais de seis milhões de judeus foram assassinados durante o período nazista, e atualmente restam menos de quatro mil judeus vivos na Polônia. Entretanto, a expressão hebraica citada no filme "Do Talmud", que significa "aquele que salva uma vida, salva o mundo inteiro", exemplifica perfeitamente o ato de Schindler. Das 1.100 pessoas que salvou, hoje em dia restaram mais de seis mil descendentes.
           Oskar Schindler faleceu no ano de 1974, mas sua trajetória, sua coragem e amor pelo próximo nunca morrerá na memória daqueles que sofreram os horrores do nazismo.

Por _Berdusco (Texto encontrado no baú das memórias – escrito em 2007)

3 comentários:

  1. O pensamento é a única coisa verdadeiramente livre, e a o que existe de absoluto é a relatividade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo livre e plenamente contigo, Branca. :D

      Excluir
  2. estou assistindo pela primeira vez e é emocionante ,principalmente a cena que schindler joga água dentro dos vagões com mangueiras ...chorei até

    ResponderExcluir

"A primeira impressão é a que fica."
Deixe a sua, e por favor, sinta-se à vontade!

Total de visualizações de página